Tipos de Câncer

Mesotelioma

O que é mesotelioma

O mesotelioma é um câncer do mesotélio, membrana que cobre e reveste o interior das paredes torácica e abdominal. Atinge mais frequentemente a pleura (80% dos casos), o peritônio (15% dos casos) e o pericárdio (5% dos casos). A doença é causada pela inalação de asbesto (também conhecido como amianto, seu nome comercial) e não tem relação com o tabagismo.

O asbesto faz parte de uma família de compostos naturais usada em materiais de construção civil e naval, na indústria automobilística e em alguns produtos têxteis. Embora ele seja encontrado na natureza (no ar, na água e no solo), o baixo nível de exposição ambiental não contribui para o surgimento da doença: a causa do mesotelioma está ligada ao trabalho direto com o material. 

Indivíduos que trabalham com asbesto têm até 10% de risco de desenvolver mesotelioma ao longo da vida, e a doença pode levar até 30 anos para manifestar os primeiros sintomas. 

O mesotelioma ocorre mais em homens do que em mulheres e costuma ser diagnosticado em pessoas com mais de 50 anos de idade – mais comumente por volta dos 75 anos. A incidência é de 1 a 2 casos por milhão de habitantes ao ano, com grande variação regional.

Trata-se de um câncer quase sempre incurável e com sobrevida de longo prazo rara – o mesotelioma tende a ser fatal de um a quatro anos depois do diagnóstico.

Subtipos de mesotelioma

O mesotelioma apresenta três tipos histológicos:

  • Epidermóide ou epitelial (de 60% a 70% dos casos);
  • Bifásico ou misto; e
  • Sarcomatoso.

Os tipos epidermóide e bifásico têm células muito semelhantes às do adenocarcinoma de pulmão, enquanto o sarcomatoso se assemelha a outros tipos de sarcoma. 

Sintomas e sinais de mesotelioma

Dor torácica e falta de ar são os principais sintomas de mesotelioma. 

Quem tem a doença também pode apresentar:

  • Tosse;
  • Febre;
  • Diminuição da força física (astenia);
  • Emagrecimento sem razão aparente;
  • Derrame pleural;
  • Rouquidão;
  • Dificuldade para engolir;
  • Perda de sensibilidade em um braço ou mão; e
  • Inchaço abdominal.

Diagnóstico de mesotelioma

Diante de um conjunto de sintomas, o médico especialista levantará o histórico de exposição do paciente ao asbesto. Em seguida, são realizados exames de imagem para confirmar a suspeita de mesotelioma e também para avaliar a extensão da doença (tomografia computadorizada, PET Scan e ressonância magnética).

O diagnóstico definitivo é feito principalmente por histopatologia, ou seja, análise de material (amostras do líquido do espaço pleural e de tecido da pleura) obtido por biópsia. 

O diagnóstico diferencial para adenocarcinoma de pulmão é realizado por análise imuno-histoquímica do tecido afetado pelo tumor.

Tratamento de mesotelioma

Como o mesotelioma raramente tem cura, o foco principal do tratamento é paliativo, para aliviar a dor e a falta de ar.

A quimioterapia e a radioterapia podem ser empregadas e são procedimentos que auxiliam na redução dos sintomas. A drenagem de líquido em torno dos pulmões pode facilitar a respiração, enquanto os analgésicos podem aliviar as dores gerais pelo corpo.

Em casos de derrames pleurais volumosos ou recorrentes, a pleurodese (inserção de medicamento no espaço pleural) ou a pleurectomia (retirada cirúrgica da pleura parietal) podem ser realizadas para controle da doença.

Prevenção de mesotelioma 

O mesotelioma pode ser prevenido por meio da minimização da exposição à poeira e fibras de asbesto ou amianto no local de trabalho. Com a regulamentação e o aumento do controle dos resíduos no ar por parte das indústrias que ainda o utilizam, os casos recentes têm diminuído – porém, a doença ainda ocorre em pessoas expostas décadas atrás.