Tipos de Câncer

Glândulas Salivares

O que são tumores das glândulas salivares

A saliva é uma substância secretada no trato aerodigestivo superior para auxiliar nas funções digestivas e de proteção. Quem a produz são as glândulas salivares que, de acordo com seu tamanho e localização, são classificadas como:

  • Glândulas salivares maiores – glândulas parótidas, submandibulares e linguais; 
  • Glândulas salivares menores – as centenas de glândulas presentes no epitélio de revestimento do trato aerodigestivo superior.

Tanto as glândulas salivares maiores quanto as menores podem desenvolver tumores, sendo em sua maioria nódulos benignos (75% do total). Os nódulos malignos (cânceres das glândulas salivares) correspondem a 0,3% – 1% dos tumores malignos que podem ocorrer no corpo e a 5% dos tumores malignos de cabeça e pescoço.

Subtipos de tumores das glândulas salivares

Em tumores benignos das glândulas salivares, os tipos mais comuns são:

  • Adenoma pleomórfico;
  • Adenoma monomórfico;
  • Oncocitoma;
  • Cistadenoma papilar linfomatoso.

Esses tumores benignos raramente recidivam e se tornam malignos. No caso do adenoma pleomórfico, a transformação maligna gera o carcinoma ex-adenoma pleomórfico, mas isso só ocorre após a existência da forma benigna por mais de 15 anos.

Em cânceres das glândulas salivares, ou seja, tumores malignos, os tipos mais comuns são:

  • Carcinoma mucoepidermoide – tipo mais comum de câncer da glândula salivar, tem origem nas glândulas parótidas e acomete tipicamente pessoas entre 20 e 50 anos;
  • Carcinoma adenoide cístico – câncer de crescimento lento que tende a se espalhar pelos nervos. É o tumor maligno mais comum das glândulas salivares menores e tem pico de incidência entre os 40 e os 60 anos de idade;
  • Carcinoma de células acinares – tumor que usualmente ocorre na glândula parótida e acomete pessoas entre 40 e 50 anos de idade;
  • Adenocarcinoma polimorfo de baixo grau – tende a ter início nas glândulas salivares menores e é geralmente curável;
  • Adenocarcinoma não especificado – mais comum nas glândulas parótidas e nas salivares menores.

Sintomas e sinais de tumores das glândulas salivares

A maioria dos tumores das glândulas salivares, sejam benignos ou malignos, se manifesta como uma massa indolor. Quando os malignos crescem, podem invadir nervos, podendo causar:

  • Dor local ou regional;
  • Queimação; e
  • Dormência, formigamento e perda ou problemas de função motora em áreas da face.

Podem também aparecer nódulos ou inchaços nas bochechas, na região anterior ao ouvido, no pescoço (abaixo da mandíbula) ou na boca.

Feridas na boca que não melhoram após três semanas, principalmente no céu da boca, assim como dores na boca, na mandíbula, nos ouvidos ou no pescoço que não melhoram mesmo com uso de analgésicos comum também são sintomas dos tumores malignos das glândulas salivares.

Diagnóstico de tumores das glândulas salivares

Diante de sintomas, um exame clínico realizado por médico especialista em cabeça e pescoço pode levar à suspeita de tumor nas glândulas salivares.

O diagnóstico necessariamente depende de uma biópsia. Confirmado o câncer, são realizados exames de imagem – tomografia computadorizada e ressonância magnética – para localizar o tumor e determinar sua extensão tanto local quanto à distância (estadiamento do tumor).

Tratamento de tumores das glândulas salivares

A maioria dos casos de tumores das glândulas salivares é tratada com cirurgia para a remoção do tumor seguida de radioterapia. Em alguns casos, pode ser indicada também a quimioterapia.

Prevenção de tumores das glândulas salivares

Não há como prevenir a formação de tumores nas glândulas salivares, mas o diagnóstico precoce é a melhor forma de aumentar as chances de cura. Por isso, à primeira manifestação dos sintomas é importante procurar ajuda médica especializada para um diagnóstico rápido e o início do tratamento.