Tipos de Câncer

Corpo de Útero (Endométrio)

O que é o câncer do corpo do útero

O câncer do corpo do útero é a proliferação descontrolada de células dentro do útero, órgão onde o feto se desenvolve. A doença pode se iniciar no revestimento interno, na musculatura ou no tecido de sustentação do útero e ocorre em qualquer faixa etária, mas é mais comum em mulheres que já estão na menopausa.

É o sexto tipo de câncer mais comum entre as mulheres no mundo, com cerca de 380 mil novos casos por ano.

No Brasil, o câncer do corpo do útero ocupa a oitava posição entre os tumores malignos mais incidentes na população feminina (excetuando-se o câncer de pele não melanoma). Para 2020, o Inca (Instituto Nacional de Câncer) estimou 6.540 novos casos no país.

Subtipos do câncer do corpo do útero

Existem dois tipos de câncer do corpo do útero: o carcinoma e o sarcoma.

Mais de 95% dos casos de tumores malignos do útero são carcinomas. Eles começam no endométrio – o revestimento interno do útero – e são chamados carcinomas de endométrio.

Os outros casos são os sarcomas, originados na musculatura ou em tecidos uterinos e classificados de acordo com o tipo de célula a partir de que se desenvolvem. São divididos em:

  • Leiomiossarcomas uterinos – começam no miométrio (parede muscular do útero) e representam 2% dos tumores;
  • Sarcomas estromais do endométrio – desenvolvem-se no tecido conjuntivo de suporte do endométrio (o estroma). Representam 1% dos cânceres uterinos e oferecem os melhores prognósticos de recuperação entre os sarcomas no útero; e
  • Sarcomas indiferenciados – embora costumem ser considerados um subtipo de sarcoma estromal do endométrio, são mais agressivos e precisam de tratamento diferente. Também representam 1% dos tumores malignos uterinos.

Além deles, existe ainda o raro carcinossarcoma. Os tumores se originam no endométrio e têm características tanto de carcinomas quanto de sarcomas. São conhecidos como tumores mesodermais mistos ou tumores mullerianos mistos malignos.

Sintomas e sinais do câncer do corpo do útero

Não existe exame de rastreamento do câncer de endométrio, por isso é importante atentar para os sintomas desta doença. O sangramento vaginal é o sintoma mais comum do câncer do corpo do útero. Isso inclui:

  • Sangramento vaginal entre os ciclos menstruais ou mais intenso que o habitual durante o ciclo. Lembrando que apenas cerca de 20% dos casos são diagnósticos em mulheres férteis e, portanto, com ciclos menstruais; e
  • Qualquer sangramento vaginal em mulher que já se encontra na menopausa.

Além do sangramento, são sintomas do câncer de corpo de útero:

  • Dor pélvica;
  • Fadiga;
  • Anorexia;
  • Perda de peso sem motivo aparente.

Diagnóstico do câncer do corpo do útero

Diante da existência de sintomas, o médico ginecologista parte para a detecção do câncer do corpo do útero. Para tanto, o profissional realiza exames e procedimentos que permitem visualizar o útero e seu interior e auxiliar no diagnóstico. São eles:

  • Exame físico;
  • Ultrassonografia transvaginal;
  • Histeroscopia (visualização do interior do útero através de câmera introduzida pela vagina); e
  • Biópsia do endométrio (retirada de pequena amostra da camada interna do útero para análise microscópica).

Detectado o câncer do corpo do útero, verifica-se seu estadiamento – o estágio em que ele se encontra e se está restrito ao local de origem ou se há disseminação para outros órgãos. Realizam-se, então, os seguintes exames:

  • Exame pélvico (com espéculo e toque vaginal);
  • Exames de imagem (tais como radiografia, ultrassonografia, tomografia, ressonância nuclear magnética).

É a partir daí que se define o tratamento para o câncer do corpo do útero.

Tratamento do câncer do corpo do útero

A decisão pelo tipo de tratamento para o câncer do corpo do útero dependerá de fatores como estadiamento da doença, idade e estado geral de saúde da paciente, tipo de tumor e intenção futura de ter filhos.

São empregados, isoladamente ou em conjunto, os seguintes tipos de tratamentos na busca pela cura do câncer do corpo do útero:

  • Cirurgia – remoção do câncer por meio de intervenção cirúrgica. Na maioria dos casos, recorre-se à histerectomia, que é a cirurgia de remoção de útero, ovários e trompas;
  • Radioterapia – complementar à cirurgia, ela utiliza radiação em altas doses para eliminar células cancerosas que possam ainda estar presentes. Pode ser externa (aplicada fora do corpo) ou interna (aplicada diretamente dentro da vagina);
  • Quimioterapia – uso de drogas para impedir o crescimento e matar as células cancerosas;
  • Hormonioterapia – uso de medicamentos para inibir a atividade de hormônios que possam causar o crescimento do tumor do câncer do corpo do útero.

Prevenção do câncer do corpo do útero

A melhor prevenção contra o câncer do corpo do útero é evitar fatores ou tratar/controlar rapidamente doenças e condições de saúde que beneficiem seu desenvolvimento.

Os principais fatores a serem evitados no sentido de prevenir o câncer do corpo do útero são:

  • Excesso de gordura corporal;
  • Sedentarismo;
  • Dietas com carga glicêmica elevada (quantidade alta de carboidratos e/ou alimentação rica em produtos processados e ultraprocessados);
  • Uso de estrogênio para reposição hormonal após a menopausa.

Entre as doenças e condições de saúde a serem tratadas ou controladas rapidamente para evitar o desenvolvimento do câncer do corpo do útero destacam-se:

  • Predisposição genética;
  • Diabetes mellitus;
  • Hiperplasia endometrial;
  • Falta de ovulação crônica;
  • Síndrome do ovário policístico;
  • Síndrome de Lynch.