Tipos de Câncer

Boca

O que é o câncer de boca

O câncer da boca é um tumor maligno que afeta lábios e estruturas da boca, como gengivas, bochechas, céu da boca, língua e a região embaixo da língua. O INCA (Instituto Nacional de Câncer) estima que para cada ano do triênio 2020/2022 sejam diagnosticados no Brasil 15.190 novos casos de câncer de boca e orofaringe (11.180 em homens e 4.010 em mulheres).

O principal tipo histológico do câncer de boca é o carcinoma de células escamosas (90% dos casos). Ele começa nas células que formam o revestimento da boca, podendo ainda ser classificado como “in situ” (presente apenas na superfície) ou invasivo, quando já alcançou camadas mais profundas.

Os fatores de risco associados ao câncer na cavidade bucal são:

  • Tabagismo – eleva em 10 vezes o risco de desenvolver câncer de boca;
  • Consumo excessivo de álcool – evidências mostram que o acetaldeído, o principal e mais tóxico metabólito do álcool, interrompe a síntese e o reparo do DNA e, portanto, pode favorecer a carcinogênese. Pessoas que consomem bebidas alcoólicas em altas quantidades também podem ter dietas carentes de nutrientes essenciais, como o folato, tornando os tecidos-alvo mais suscetíveis aos efeitos carcinogênicos do álcool; e
  • Má higiene bucal – torna a cavidade bucal mais suscetível aos efeitos cancerígenos dos fatores anteriores.

Sintomas e sinais do câncer de boca

É importante mencionar que muitos dos sintomas ou sinais de câncer de boca também são associados a problemas benignos. Por isso, a qualquer sinal é importante consultar um médico ou mesmo um dentista para avaliar o local.

Os sinais e sintomas do câncer de boca podem incluir:

  • Ferida na boca que não cicatriza;
  • Dor na boca que não desaparece;
  • Caroço ou inchaço na bochecha;
  • Mancha branca ou vermelha em alguma parte da cavidade bucal;
  • Ferida na garganta ou sensação de ter algo preso na garganta;
  • Dificuldade para mastigar ou engolir;
  • Dificuldade de mover a mandíbula ou a língua;
  • Dormência na língua ou outra área da boca; e
  • Nódulo ou massa no pescoço.

Diagnóstico do câncer de boca

O diagnóstico do câncer de cavidade oral pode ser feito com o exame clínico, mas a confirmação depende da biópsia, que muitas vezes pode ser feita com anestesia local no próprio consultório. O material coletado é enviado para análise histopatológica.

Confirmada a doença, os outros exames são realizados para definir a extensão (estágio) e o melhor tratamento. Podem incluir:

  • Tomografia computadorizada ou ressonância nuclear magnética: traz informações importantes quanto à extensão das estruturas comprometidas, bem como auxilia no diagnóstico diferencial com lesões benignas;
  • PET/CT: realizado em alguns casos para avaliar se há lesões relacionadas à doença em outros órgãos (metástases); 
  • Exames de sangue: os exames de sangue não podem diagnosticar tumores da boca. No entanto, são solicitados para avaliar o estado de saúde geral do paciente, especialmente antes do tratamento; e
  • Exame odontológico: antes do tratamento radioterápico, o médico pode solicitar ao paciente um exame dentário preventivo e, caso necessário, realizar a remoção dos dentes antes do início do tratamento. No caso de haver a remoção de uma parte da mandíbula ou do palato, o ortodontista irá trabalhar para garantir que os dentes artificiais e os dentes naturais remanescentes se encaixem corretamente. 

Tratamento do câncer de boca

O tratamento do câncer de boca, na maioria das vezes, é cirúrgico tanto nas lesões menores, com menor repercussão funcional, quanto nos tumores maiores. A radioterapia e a quimioterapia podem ser indicadas para complementar o tratamento cirúrgico ou quando a cirurgia não é possível de ser realizada (doença irressecável).

A cirurgia normalmente consiste na retirada do tumor e inclui também a retirada dos linfonodos do pescoço. Nas cirurgias maiores, pode ser necessária a ressecção de segmentos ósseos. Podem também ser realizados outros procedimentos em um segundo tempo para restabelecer a função da área ressecada.

Os últimos anos foram de evolução no tratamento do câncer de boca, que agora inclui:

  • Radioterapia IMRT: é um tipo de radioterapia que tem maior precisão na hora de tratar o tumor. Com isso, o paciente apresenta menos efeitos colaterais e os resultados são mais expressivos;
  • Terapia-alvo: são drogas que funcionam de forma diferente da quimioterapia padrão. Elas tendem a ter efeitos colaterais diferentes (e menos graves) e atuam impedindo que a célula tumoral se multiplique, retardando ou mesmo interrompendo o crescimento das células cancerosas. Esta terapia pode ser combinada com a radioterapia para alguns tipos de câncer em estágio inicial ou com a quimioterapia em casos avançados; e 
  • Imunoterapia: esse tipo de tratamento aumenta a atividade das células de defesa do paciente para combater a doença. Pode ser utilizado combinado ou não com quimioterapia, a depender de características clínicas do paciente e da expressão do PDL1, que é uma proteína presente na superfície do tumor.

Prevenção do câncer de boca

A melhor forma de prevenir o câncer de boca é evitar seus principais fatores de risco – assim, recomenda-se não fumar, não consumir bebidas alcoólicas em excesso e manter uma boa higiene bucal.