6269, 6269, Ativo 42, Ativo-42.png, 4195, https://www.grupooncoclinicas.com/oncoclinica-porto-alegre/wp-content/uploads/sites/9/2021/05/Ativo-42.png, https://www.grupooncoclinicas.com/oncoclinica-porto-alegre/ativo-42/, , 1, , , ativo-42, inherit, 0, 2021-05-29 19:02:28, 2021-05-29 19:02:28, 0, image/png, image, png, https://www.grupooncoclinicas.com/oncoclinica-porto-alegre/wp-includes/images/media/default.png, 257, 51, Array
Você está em:

JORNAL NH: Tabagismo deve ser encarado como doença

O tratamento do tabagismo é um dos quatro pilares terapêuticos contra o câncer, além da cirurgia, quimioterapia e radioterapia. De acordo com o pneumologista José Miguel Chatkin, integrante da Oncoclínicas RS, há uma alta frequência de fumantes entre os pacientes oncológicos, considerando-se todos os tipos de neoplasias – cerca de 30 a 40%. Entretanto para câncer de aparelho respiratório, o percentual passa de 80%. Por isso, é necessário alertar que o tabagismo precisa ser encarado como uma doença, como consta no Código Internacional de Doenças (CID10).

Com estratégias adequadas, será possível parar de fumar, resultando em nítida melhoria da qualidade de vida, não só na perspectiva oncológica, mas também pelo controle de outras doenças. Coordenador de Tabagismo do Grupo Brasileiro de Oncologia Torácica, membro da Comissão de Tabagismo da Associação Médica Brasileira, professor titular de Medicina Interna/Pneumologia da Escola de Medicina da PUCRS e ex-presidente da Sociedade Brasileira de Pneumologia, Chatkin afirma que o tabagismo tem influência em todos os tipos de câncer, aumenta sua gravidade e chances de reincidência.

Além disso, durante a quimioterapia, o tabagismo provoca maior incidência de enjoos e vômitos e, em casos de cirurgia do paciente oncológico, dificulta a cicatrização. E em caso de cirurgia, parar de fumar contribui para menor frequência de complicações cirúrgicas, como sangramentos, e cicatrizações mais rápidas. Também reduz riscos de reincidência da doença, de novos tumores e surgimento de metástases.

“O tratamento cabe a todo médico com treinamento específico na cessação do tabagismo, pois inclui farmacoterapia e apoio cognitivo comportamental”, destaca o Chatkin. Ele orienta que o trabalho multidisciplinar de atendimento ao paciente oncológico fumante deve iniciar com o oncologista, com o qual precisa haver uma sintonia muito fina e contínua. A técnica de abordagem varia conforme a situação clínica de cada paciente.

GRUPO ONCOCLíNICAS. SUA ViDA, NOSSA VIDA.

Responsáveis técnicos:
Dra. Juliana Scheffer | CRM-RS 35606
Dr. Pedro Emanuel Rubini Liedke | CRM-RS 26016
Dr. Bruno Lemos Ferrari | CRM-MG 26609