6269, 6269, Ativo 42, Ativo-42.png, 4195, https://www.grupooncoclinicas.com/oncoclinica-porto-alegre/wp-content/uploads/sites/9/2021/05/Ativo-42.png, https://www.grupooncoclinicas.com/oncoclinica-porto-alegre/ativo-42/, , 1, , , ativo-42, inherit, 0, 2021-05-29 19:02:28, 2021-05-29 19:02:28, 0, image/png, image, png, https://www.grupooncoclinicas.com/oncoclinica-porto-alegre/wp-includes/images/media/default.png, 257, 51, Array
Você está em:

GZH: Entenda o mieloma múltiplo

O mieloma múltiplo, câncer enfrentado pela jornalista e comentarista de política da GloboNews Cristiana Lôbo, que morreu nesta quinta-feira (11), aos 64 anos, no Hospital Albert Einstein, em São Paulo, é um tumor que acomete os plasmócitos, células que fazem parte do sistema hematológico (do sangue).

Essas células, originadas na medula óssea, têm a função de produzir proteínas importantes para o organismo. Quando há comprometimento por um dano genético, essa produção fica desregrada. O paciente passa a acumular proteínas em locais errados, como os rins — o que acarreta disfunção renal e eventual necessidade de hemodiálise —, ou pode sofrer com enfraquecimento dos ossos, tornando-se mais vulnerável a fraturas, e maior suscetibilidade a infecções.

Stephen Stefani, oncologista do grupo Oncoclínicas, define a doença como um câncer incomum comparado a outras doenças do sangue e de sintomas inespecíficos. Há pessoas que descobrem o problema quando já estão com lesão ou fratura óssea, enquanto outras têm sinais de mau funcionamento dos rins. Quadros infecciosos sucessivos ou alterações sanguíneas também dão pistas do mieloma múltiplo. A suspeita inicial leva o médico a solicitar exames de sangue, e o resultado definitivo pode ser dado a partir da análise de uma amostra de tecido.

— Durante muito tempo, o mieloma múltiplo era tratado com drogas que tentavam controlar a doença, essencialmente, matando essas células, mas isso acabava gerando muito efeito colateral cumulativo — relembra Stefani. — É uma das doenças oncológicas de tratamento com maior avanço na última década, provavelmente. Algumas medicações são orais, outras endovenosas, ou então combinamos drogas ou imunoterapias. O arsenal é tão grande que o mieloma múltiplo virou quase uma doença crônica, mas passível de agudizações — complementa o médico.

Atualmente, recorre-se cada vez menos a quimioterapias e mais a imunoterapias (quando o sistema imunológico é estimulado a combater a enfermidade), muito mais a drogas orais e menos por via venosa. É um tratamento de alto custo, frisa Stefani, o que dificulta o acesso dos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS). Em alguns casos, o transplante de medula óssea é indicado.

— Tem pacientes que podem até ficar curados do mieloma e viver muito bem — observa o oncologista.

Confira publicação original.

GRUPO ONCOCLíNICAS. SUA ViDA, NOSSA VIDA.

Responsáveis técnicos:
Dra. Juliana Scheffer | CRM-RS 35606
Dr. Pedro Emanuel Rubini Liedke | CRM-RS 26016
Dr. Bruno Lemos Ferrari | CRM-MG 26609