6269, 6269, Ativo 42, Ativo-42.png, 4195, https://www.grupooncoclinicas.com/oncoclinica-porto-alegre/wp-content/uploads/sites/9/2021/05/Ativo-42.png, https://www.grupooncoclinicas.com/oncoclinica-porto-alegre/ativo-42/, , 1, , , ativo-42, inherit, 0, 2021-05-29 19:02:28, 2021-05-29 19:02:28, 0, image/png, image, png, https://www.grupooncoclinicas.com/oncoclinica-porto-alegre/wp-includes/images/media/default.png, 257, 51, Array
Você está em:

DIÁRIO DE SANTA MARIA: Comunicação e ação

Você está tomando os cuidados para reduzir o risco de contaminação pelo coronavírus? Sim, doutor, eu estou… o problema são as visitas! Esse fragmento de diálogo, até divertido se fosse em outros tempos e não fosse cruelmente real, ilustra um aspecto fundamental da batalha sanitária que estamos vivendo: estamos falhando na comunicação. Comunicar ciência tornou-se uma prioridade, preocupação de órgãos públicos e privados e um assunto estabelecido de educação. O Centro para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos estima 20 a 30 % das prescrições de doenças crônicas não são seguidas. Se incluirmos recomendação de parar de fumar ou realizar atividade física, os números podem ser piores. Mesmo que a informação seja abundante e acessível, não estamos conseguindo fazer as pessoas usar máscaras de forma correta ou lavar as mãos. Falta uma ponte entre comunicação e ação.

As mudanças podem ser difíceis, seja por falta de compromisso, interesse ou compreensão. As condições socioeconômicas, tratamentos inacessíveis ou as condições de vida difíceis têm papel eloquente na capacidade de adesão a recomendações médicas. Um remédio muito caro, mesmo que bem indicado, não será realidade para quem concentra esforço em comprar a comida dos filhos. A falha em seguir recomendação médica é, também, um problema caro. A American College of Preventive Medicine estimou que a não adesão era responsável, antes da pandemia, por pelo menos 10% das hospitalizações. Não temos dados atuais ou para nossa realidade, mas é justo imaginar que sejam ainda mais assustadores em condição de uma tragédia sanitária. O consenso é que estamos falhando, de alguma forma, em dar solução para um número gigantesco de pessoas, o que leva a uma quantidade inaceitável de mortes evitáveis. Com todos cansados, os pensamentos binários e beligerantes são mais frequentes. Não existe solução simples, mas concentrar esforços naqueles pontos de menor desalinhamento, como benefício de máscaras e vacinas, pode contribuir para colocar todos na mesma direção. Uma situação complexa como a pandemia não pode ser levada por antíteses simplistas como liberdade e ditadura, direita e esquerda, amigo e inimigo, como amor e ódio.

*Dr. Stephen Stefani, oncologista da Oncoclínicas RS.

Confira publicação original.

GRUPO ONCOCLíNICAS. SUA ViDA, NOSSA VIDA.

Responsáveis técnicos:
Dr. Pedro Emanuel Rubini Liedke | CRM-RS: 26016
Dra. Cláudia Massaú da Silveira | CRM-RS: 21088
Dr André Poisl Fay | CRM-RS 31646
Dr. Bruno Lemos Ferrari | CRM-MG: 26609