Você está em:

Coronavírus

A Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou no dia 11 de março, a pandemia de Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus (Sars-Cov-2).

Segundo o órgão, o número de pacientes infectados, de mortes e de países atingidos deve aumentar nos próximos dias e semanas. Por isso, é fundamental que os governos devem manter o foco na contenção da circulação do vírus.

Confira aqui perguntas frequentes sobre o coronavírus

Dando continuidade em nossas ações preventivas, atualizamos e reforçamos nossas orientações:

PRINCIPAIS SINTOMAS

febre

febre

coriza

coriza

dificuldade respiratória

dificuldade
respiratória

dor de cabeça

dor de cabeça

dor de garganta

dor de garganta

tosse seca

tosse seca

FORMAS DE TRANSMISSÃO

O Coronavírus é transmitido de pessoa para pessoa (gotículas respiratórias) ou por contato com superfícies contaminadas.

DIAGNÓSTICO

Caso apresente alguns dos sintomas acima, entre em contato com o seu médico. Ele irá orientá-lo sobre o melhor a fazer.

PRECAUÇÕES FUNDAMENTAIS

A melhor maneira de prevenir a infecção é minimizando o risco de exposição ao vírus, além de identificar e isolar precocemente pacientes suspeitos.

febre

Lave as mãos frequentemente, por pelo menos 20 segundos, com água e sabão ou utilize álcool gel.

coriza

Evite tocar olhos, nariz e boca sem higienização adequada das mãos.

dificuldade respiratória

Use lenços de papel para cobrir o rosto ao tossir e/ou espirrar, descarte-os em seguida e lave as mãos imediatamente.

dor de cabeça

Caso não tenha lenços, tussa ou espirre sobre o cotovelo ou o braço (jamais utilize as mãos). Higienize a região em seguida.

dor de garganta

Evite contato próximo com pessoas que possuam sinais semelhantes aos da gripe ou resfriado.

tosse seca

Evite locais públicos e aglomerações.



PRECAUÇÕES ADICIONAIS

  • Para proteger nossos pacientes que são particularmente vulneráveis ​​à doença por coronavírus, estamos implementando precauções, incluindo:
  • - Triagem de pacientes, visitantes e funcionários quanto à possível infecção pelo vírus.
  • - Limitar o número de acompanhantes incluindo um adulto (18 anos ou mais) por paciente de cada vez.
  • - Suspender visitações de representantes da indústria e/ou fornecedores.

Baixe o Guia de Isolamento Domiciliar

Faça o download aqui

Especialistas esclarecem dúvidas
sobre os principais cuidados para pacientes oncológicos em meio a pandemia do coronavírus

Grupo de risco precisa de atenção especial, mas as recomendações principais continuam as mesmas: isolamento e higienização das mãos.

Saiba mais

LEMBROU DE LAVAR AS MÃOS?

Lavar as mãos regularmente é a maneira mais prática de prevenir e controlar infecções.
Veja como higienizar corretamente as mãos.
Passo 1

Abra a torneira
e molhe as mãos, sem
encostar na pia.

Passo 2

Aplique sabonete
na palma das mãos.

Passo 3

Ensaboe ambas as
palmas e esfregue-as.

Passo 4

Friccione o dorso das
mãos e os espaços entre
os dedos.

Passo 5

Esfregue o dorso dos
dedos de uma mão com a
palma da outra com
movimento vaivém.

Passo 6

Friccione cada
polegar com auxílio
da palma da mão.

Passo 7

Esfregue a ponta dos
dedos e unhas contra a
palma da mão oposta.

Passo 8

Esfregue os punhos
com movimentos
circulares.

Passo 9

Enxágue as mãos.

Passo 10

Evite o contato com
a torneira.

Passo 11

Seque as mãos e os
punhos com papel-toalha.

Passo 12

Suas mãos estão
limpas.

GRUPOS DE RISCO

Idosos acima de 60 anos, imunodeprimidos e gestantes devem ter especial atenção na prevenção e aparecimento de sintomas.

ACOMPANHANTES

A fim de minimizar o risco de infecção aos nossos pacientes e colaboradores, solicitamos a todos que venham à clínica com apenas um acompanhante (maior de 18 anos) e que este não esteja apresentando febre, tosse ou sintomas respiratórios.
Passo 12

ATENÇÃO

Em caso de sintomas respiratórios, faça contato antes de se dirigir à clínica. Você receberá as orientações apropriadas ao seu caso.

O IMPORTANTE É VIVER BEM

Perguntas Frequentes

 

Acompanhantes / Familiares / Amigos

Você deve utilizar a máscara comum, quando apresentar sintomas parecidos com os de uma síndrome gripal, ou seja, febre, tosse seca e ou dificuldades respiratórias.

Você deve tomar medidas para proteção pessoal para proteger o paciente. Caso você apresente sintomas como febre, tosse seca e/ou dificuldades respiratórias, ou tenha tido contato com pessoa com confirmação da infecção pelo COVID-19, passe os cuidados para outro membro da família realizar o acompanhamento do paciente. Caso não esteja apresentando sintomas, deve manter os cuidados recomendados, evitar ambientes externos, evitar aglomerações de pessoas onde os ambientes não permitam uma distância segura (menos de 1 metro de distância), evitar tocar objetos nos ambientes, lavar constantemente as mãos com água e/ou higienizar com álcool gel, manter o próprio ambiente limpo e higienizado, evitar os cumprimentos como aperto de mão, abraços e beijos (até mesmo com seu médico e equipe de saúde). Manter o contato com a unidade de tratamento do paciente, para notificar qualquer presença de sintomas suspeitos e para receber informações atualizadas sobre o tratamento que é individualizado.

Você deve tomar medidas para proteção pessoal para proteger o paciente. Caso você apresente sintomas como febre, tosse seca e/ou dificuldades respiratórias, ou tenha tido contato com pessoa com confirmação da infecção pelo COVID-19, passe os cuidados para outro membro da família realizar o acompanhamento do paciente. Caso não esteja apresentando sintomas, deve manter os cuidados recomendados, evitar ambientes externos, evitar aglomerações de pessoas onde os ambientes não permitam uma distância segura (menos de 1 metro de distância), evitar tocar objetos nos ambientes, lavar constantemente as mãos com água e/ou higienizar com álcool gel, manter o próprio ambiente limpo e higienizado, evitar os cumprimentos como aperto de mão, abraços e beijos (até mesmo com seu médico e equipe de saúde). Manter o contato com a unidade de tratamento do paciente, para notificar qualquer presença de sintomas suspeitos e para receber informações atualizadas sobre o tratamento que é individualizado.

Os cuidados para prevenção foram estabelecidos em consenso com o Ministério da Saúde. Porém, um ponto de atenção é sempre se manter informado, através dos noticiários (fontes seguras) para qualquer nova orientação quanto aos cuidados.

Caso não seja um cuidador responsável pelo paciente e caso não resida no mesmo ambiente do paciente, é recomendado que se evite visitações, devido à possibilidade de contágio pelo contato com os outros ambientes durante sua circulação.

Você deve tomar medidas para proteção pessoal para proteger o paciente. Caso você apresente sintomas como febre, tosse seca e/ou dificuldades respiratórias, ou tenha tido contato com pessoa com confirmação da infecção pelo COVID-19, passe os cuidados para outro membro da família realizar o acompanhamento do paciente. Caso não esteja apresentando sintomas, deve manter os cuidados recomendados, evitar ambientes externos, evitar aglomerações de pessoas onde os ambientes não permitam uma distância segura (menos de 1 metro de distância), evitar tocar objetos nos ambientes, lavar constantemente as mãos com água e/ou higienizar com álcool gel, manter o próprio ambiente limpo e higienizado, evitar os cumprimentos como aperto de mão, abraços e beijos (até mesmo com seu médico e equipe de saúde). Manter o contato com a unidade de tratamento do paciente, para notificar qualquer presença de sintomas suspeitos e para receber informações atualizadas sobre o tratamento que é individualizado.

Dúvidas Gerais

Pacientes sem sintomas respiratórios, como tosse e falta de ar, não precisam usar máscara. A OMS recomenda o uso de máscaras para pessoas que apresentam sintomas da COVID-19 e para aqueles que cuidam de indivíduos com sintomas e suspeita de COVID-19.

Os pacientes que já tiveram alta de seus tratamentos, também são considerados vulneráveis. Portanto, devem seguir as mesmas recomendações.

O tratamento, exames e/ou acompanhamento não deve ser interrompido. Importante manter todos os cuidados de prevenção e entrar em contato com sua unidade de tratamento e/ou acompanhamento onde você receberá as orientações pertinentes ao seu caso.

O tratamento, exames e/ou acompanhamento não deve ser interrompido. Importante manter todos os cuidados de prevenção e entrar em contato com sua unidade de tratamento e/ou acompanhamento onde você receberá as orientações pertinentes ao seu caso.

Sim, a medicação é indicada para redução na duração de neutropenia e redução na incidência de neutropenia febril em pacientes tratados com quimioterapia e para redução na duração de neutropenia em pacientes submetidos à terapia mieloablativa seguida de transplante de medula óssea, considerados em risco elevado de neutropenia grave prolongada. Caso não esteja em regime de internação hospitalar e esteja em sua residência, evite aglomerações, contato com ambientes externos. Mantenha seu ambiente higienizado e restrinja visitas, intensifique a lavagem de suas mãos e de todos que compartilhem o mesmo ambiente.

Pacientes transplantados fazem uso de medicamentos que tornam a imunidade mais baixa. Muita atenção para seguir todas as recomendações de prevenção como evitar ambientes externos, evitar aglomerações de pessoas onde os ambientes não permitam uma distância segura (maior que 1 metro de distância), evitar tocar objetos nos ambientes, lavar constantemente as mãos com água e sabão ou higienizar com álcool gel, não tocar olhos, boca e nariz com as mãos não lavadas ou higienizadas, manter o próprio ambiente limpo e higienizado, evitar os cumprimentos como aperto de mão, abraços e beijos. Manter o contato com a unidade de tratamento do paciente, para notificar qualquer presença de sintomas suspeitos e para receber informações atualizadas sobre o tratamento que é individualizado.

Pacientes oncológicos têm, frequentemente, uma diminuição da imunidade por conta da própria doença, por um estado debilitado de recuperação pós-cirúrgica ou pelo efeito imunossupressor de alguns tratamentos, como quimioterapia e radioterapia. Assim, o risco é maior.

Pacientes oncológicos têm, frequentemente, uma diminuição da imunidade por conta da própria doença, por um estado debilitado de recuperação pós-cirúrgica ou pelo efeito imunossupressor de alguns tratamentos, como quimioterapia e radioterapia. Assim, o risco é maior.

A vacina contra gripe é recomendada para os pacientes oncológicos, salvo exceções por contraindicação médica. A vacina é feita com o vírus inativo (morto) e não causa resfriado ou gripe nos pacientes oncológicos (imunossuprimidos).

As consultas de rotina podem ser postergadas com a finalidade de precaução e redução do risco de contágio.

Os exames de rotina, que não estejam relacionados a tratamentos, podem ser postergados com a finalidade de precaução e redução do risco de contágio.

Não é recomendado o cancelamento dos casos considerados urgências, emergências, procedimentos (biópsia) e cirurgias oncológicas / cardíacas.

Pacientes com Câncer

Deve-se evitar ao máximo multidões e uso de transporte público. Porém, quando não for possível evitar, uma alternativa é priorizar o uso do transporte em horários com menor fluxo de pessoas, e não abrir mão dos cuidados de prevenção. Evitar tocar ao máximo os bancos e alças dos bancos dentro do transporte, não tocar os olhos, nariz e boca sem que as mãos estejam devidamente higienizadas, evitar aperto de mãos, abraços e cumprimentos com beijos.

Neste momento de crise, por ser uma paciente oncológica e com diagnóstico de asma, a torna paciente com maior vulnerabilidade, portanto é recomendado evitar aglomerações, ambientes que impossibilitem uma distância segura entre as pessoas (maior de 1 metro). A tosse sem febre e falta de ar não é recomendado o uso de máscara.

Aqueles pacientes que passaram por transplante de medula óssea e aqueles em tratamento com quimioterapia que têm maior risco de desenvolver a forma grave da infecção pelo COVID-19.

Mulheres que estejam passando pelo tratamento de hormonioterapia devem seguir as mesmas orientações de prevenção da população em geral.

Não interrompa seu tratamento oncológico, caso apresente sintomas que lembrem uma gripe, o primeiro passo é entrar em contato com a sua unidade de tratamento para informar sobre seus sintomas e receber todas as orientações e direcionamentos específicos para o seu caso.

Não interrompa procedimentos relacionados ao seu tratamento oncológico, porém entre em contato com a sua unidade de tratamento para informar sobre este tipo de procedimento para receber as orientações de seu médico sobre a conduta adequada para o seu caso.

Evitar ambientes externos, evitar aglomerações de pessoas onde os ambientes não permitam uma distância segura (menos de 1 metro de distância), evitar tocar objetos nos ambientes, não tocar os olhos, nariz e boca sem que as mãos estejam devidamente higienizadas, lavar constantemente as mãos com água e sabão ou higienizar com álcool gel, manter o próprio ambiente limpo e higienizado, evitar os cumprimentos como aperto de mão, abraços e beijos (até mesmo com seu médico e equipe de saúde). Manter o contato com sua unidade de tratamento, para notificar qualquer presença de sintomas suspeitos e para receber informações atualizadas sobre o tratamento que é individualizado.

GRUPO ONCOCLíNICAS. SUA ViDA, NOSSA VIDA.

Responsável técnico: Dr. Bruno Lemos Ferrari | CRM-MG 26609