3337, 3337, logo-ihoc, logo-ihoc.svg, 9875, https://www.grupooncoclinicas.com/ihoc/wp-content/uploads/sites/14/2018/02/logo-ihoc.svg, https://www.grupooncoclinicas.com/ihoc/logo-ihoc/, , 1, , , logo-ihoc, inherit, 0, 2018-02-01 12:54:09, 2018-02-01 12:54:09, 0, image/svg+xml, image, svg+xml, https://www.grupooncoclinicas.com/ihoc/wp-includes/images/media/default.png, 0, 0, Array

O que é

A quimioterapia é um tratamento muito conhecido para o combate do câncer. Consiste na introdução de substâncias químicas na circulação sanguínea, que atuam sobre as células cancerígenas. Estes medicamentos são levados, através da corrente sanguínea, a todas as partes do corpo, destruindo as células doentes que estão formando o tumor e evitando que elas se espalhem.

A quimioterapia pode ser indicada como tratamento único ou aliada a outros, como radioterapia e/ou cirurgia. Esta modalidade de terapia também é indicada para doenças relacionadas com a multiplicação e mutação de células, como lúpus e esclerose múltipla.

Como funciona

O tipo de quimioterapia varia de paciente para paciente, dependendo do tipo de tumor, idade e condições gerais de saúde. A medicação pode ser administrada de diferentes maneiras, tais como: via oral, intravenosa ou endovenosa, intramuscular, subcutânea, intratecal e tópica.

Os diversos quimioterápicos têm diferentes mecanismos de ação, permitindo sua classificação entre os seguintes principais grupos:

  • Inibidores de microtúbulos

São quimioterápicos que interferem nas estruturas responsáveis pela divisão do material genético durante a divisão celular. Incluem grupos de drogas como os taxanos e os alcaloides da vinca. Os taxanos, como o paclitaxel e o docetaxel, têm sido usados no tratamento do câncer de cabeça e pescoço, pulmão, mama, estômago, ovário, próstata, entre outros. Os alcaloides da vinca, como a vincristina, a vimblastina e a vinorelbina, têm sido usados no tratamento dos cânceres de pulmão e mama, além dos linfomas.

  • Agentes alquilantes

São agentes que se ligam ao DNA ou promovem a ligação de substâncias tóxicas ao DNA, levando à morte celular por dano ao material genético. Incluem o grupo de drogas formado pelas platinas (carboplatina, cisplatina e oxaliplatina). As platinas são usadas no tratamento da maioria das neoplasias malignas, incluindo cânceres de cabeça e pescoço, pulmão, trato gastrointestinal e aparelho ginecológico. Os agentes alquilantes incluem ainda muitos outros quimioterápicos, como a ciclofosfamida, a ifosfamida e a temozolomida, usadas no tratamento de diversos tumores, incluindo o câncer de mama, os tumores cerebrais, as leucemias e os linfomas.

  • Antimetabólitos

São análogos estruturais de substâncias que formam o DNA. Assim, eles impedem a incorporação desses elementos ao DNA, bloqueando a duplicação do material genético e, consequentemente, a divisão da célula. Incluem análogos de purina (fludarabina, mercaptopurina e cladribina), que são usados no tratamento de neoplasias hematológicas. Incluem também os análogos de pirimidina (gencitabina, citarabina e 5-fluorouracil), que são usados para o tratamento da maioria dos tumores sólidos e das neoplasias hematológicas. Finalmente, os antimetabólitos incluem os análogos do ácido fólico (metotrexato, raltitrexede e pemetrexede), usados para o tratamento do câncer de pulmão, mama e cólon, além das neoplasias hematológicas.

  • Outras classes

Incluem drogas como o etoposídeo, a doxorrubicina, o irinotecano e topotecano, que bloqueiam a ação de uma substância responsável pela manutenção da estrutura do DNA. Assim, causam a morte celular por dano ao material genético. São usados para o tratamento do câncer do cérebro, mama, cólon e sarcomas, assim como de neoplasias hematológicas.

Efeitos colaterais

Como a droga ataca também as células saudáveis do corpo, a quimioterapia pode causar alguns efeitos colaterais. Queda de cabelo, dores, vômito, náuseas e feridas nas bocas são os sintomas mais comuns que ocorrem depois das sessões. A duração e a intensidade dos efeitos vão depender da quantidade de quimioterápicos recebidos e do perfil de cada paciente. Eles podem ser minimizados com o uso de antieméticos.

Confira em terapias complementares e em efeitos colaterais dicas e maneiras de aliviar os efeitos adversos que podem ocorrer ao longo do tratamento.

Duração do tratamento

O tempo de aplicação depende do tipo de tratamento determinado pelo médico. Pode durar uma ou várias horas. Existem situações em que é necessária a internação em hospital para receber a quimioterapia com tempo mais prolongado. A duração normal do tratamento é planejada de acordo com o tipo de doença e varia de paciente para paciente. O médico vai informar você sobre o número de aplicações e ciclos que deverão ser realizados ao longo do procedimento.

GRUPO ONCOCLíNICAS. SUA ViDA, NOSSA VIDA.

Responsável técnica: Dra. Vanda Sakae Assahide Ogasawara | CRM-PR: 9450