5569, 5569, cpo, cpo.svg, 932, https://www.grupooncoclinicas.com/cpo-sp/wp-content/uploads/sites/3/2019/11/cpo.svg, https://www.grupooncoclinicas.com/cpo-sp/cpo-2/, , 1, , , cpo-2, inherit, 0, 2019-11-26 18:54:16, 2019-11-26 18:54:16, 0, image/svg+xml, image, svg+xml, https://www.grupooncoclinicas.com/cpo-sp/wp-includes/images/media/default.png, 0, 0, Array
Você está em:

Conexões alimentares (Food Connections)

O alimento nos conecta fisicamente e emocionalmente comunicando sentimentos sobre nós e os outros e socialmente quando nos permite compartilhar nosso tempo com estes. Essa conexão fica prejudicada em pacientes com câncer avançado, onde problemas com perda de peso e mudanças nos hábitos alimentares são comuns e causam angústia entre paciente e familiares/cuidadores, trazendo um profundo efeito na qualidade de vida de todos . Esta interdependência entre ambos leva a mudanças de comportamento frente aos alimentos e decisões feitas nesse âmbito. Conhecer essas interações entre esses membros pode ser importante para melhorar a experiência do paciente e os seus resultados clínicos.

Oferecer alimento representa uma conexão com o outro e é reconhecido como um ato de cuidado. Comer também é relatado como uma atividade social, algo feito com outros. O preparo de alimentos e refeições são importantes para estabelecer e sustentar relacionamentos entre amigos.

Ansiedade e angústia são sentimentos que pacientes e seus familiares podem vivenciar como consequência do não conseguir se alimentar. Impactos na atividade física, verificados com a evolução da fraqueza, dependência física, perda de autonomia e a mudança na aparência física são relatados como fatores estressores. Em resposta a essas mudanças existem duas abordagens: aceitação ou resistência, embora elas podem estar presentes de forma conjunta. A abordagem predominante vai mostrar a resposta em relação à ansiedade gerada , quando esta é aceita, se confirma que houve uma perda nesta conexão alimentar. Quando a resistência de um dos lados inclui tentativas de mudar o comportamento do outro e estas tentativas falham, a ansiedade não é aliviada e a conectividade passada não é restaurada. Quando existe uma dupla resistência entre paciente e cuidador/família, é quando se observa os maiores níveis de angústia.

Estes pensamentos e comportamentos podem ser ajustados e um profissional de saúde pode auxiliar a entender as dificuldades enfrentadas , reconhecendo as necessidades particulares de cada relação paciente-cuidador.

Dra Heloisa Helena L.R. Scapulatempo
Nutricionista Priscila Po Yee Cheung

GRUPO ONCOCLíNICAS. SUA ViDA, NOSSA VIDA.

Responsáveis técnicos:
Dr. Daniel Luiz Gimenes | CRM-SP: 75953
Dr. Marcelo Aisen | CRM-SP: 91475
Dr. Bruno Lemos Ferrari | CRM-MG: 26609