2831, 2831, cecon, cecon.svg, 6652, https://www.grupooncoclinicas.com/cecon/wp-content/uploads/sites/10/2017/11/cecon.svg, https://www.grupooncoclinicas.com/cecon/cecon/, , 1, , , cecon, inherit, 0, 2017-11-28 16:57:31, 2017-11-28 16:57:31, 0, image/svg+xml, image, svg+xml, https://www.grupooncoclinicas.com/cecon/wp-includes/images/media/default.png, 0, 0, Array
Você está em:

Imunoterapia é nova esperança para tratar tumor agressivo de mama

Depois que o FDA (agência norte-americana que regulariza medicamentos) concedeu em março a aprovação ao atezolizumabe em combinação com nab-paclitaxel para pacientes com câncer de mama triplo negativo, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) anunciou a aprovação da combinação terapêutica que trata eficientemente um dos subtipos mais graves do câncer de mama.

Considerado um tipo de câncer agressivo e que afeta geralmente mulheres jovens, o câncer de mama triplo-negativo representa cerca de 20% de todos os casos da doença mundialmente. Se considerarmos que o Brasil, segundo estimativas do Instituto Nacional do Câncer (INCA) contará com cerca de 60 mil novos casos de câncer de mama em 2019, esse percentual representa um universo de ao menos 12 mil pessoas.

Entenda a Imunoterapia

Na última década, a imunoterapia passou de um tratamento teórico promissor para um padrão de cuidados que está contribuindo para respostas positivas de pacientes oncológicos. Desde 2011, o FDA aprovou 15 novas drogas imunoterápicas para o tratamento do câncer, sendo cinco só no ano passado. No Brasil, a imunoterapia tem aprovação da Anvisa para uso em casos de melanoma, câncer de rim, câncer de pulmão e câncer de bexiga.

De forma simplificada, o nosso sistema imunológico é programado para combater quaisquer sinais que representem ameaças à saúde. Porém, para manter um equilíbrio que assegure plenamente o nosso bem-estar, o mecanismo de defesa do corpo também tem freios que impedem uma ação exagerada nessa resposta – caso contrário, ele pode desencadear as chamadas doenças auto-imunes, como lúpus, esclerose múltipla e artrite reumatoide.

Quando, contudo, ocorre uma falha nesse processo de combate ao inimigo e, em consequência, o surgimento de um tumor, a medicação imunoterápica pode ser adotada para inibir a ação desses freios e provocar a resposta necessária para combater as células malignas. “A imunoterapia cria uma memória imunológica no paciente contra o tumor. A concepção é gerar uma resposta imunológica exacerbada no paciente. Ao fazer isso, o sistema imunológico volta a reconhecer o tumor como um agente externo”, explica o mastologista Roberto Lima, do Cecon.

Quando a imunoterapia é a melhor opção?

Apesar dos avanços promissores, o especialista explica que ainda é cedo para afirmar que a imunoterapia seria a chave para a cura do câncer de mama. Ainda assim, os passos já trilhados são observados com otimismo e lançam boas perspectivas para tratamentos do câncer de mama triplo-negativo metastático e que não responde às medicações convencionalmente indicadas, tais como quimioterápicos e drogas alvo-moleculares.

O que tem se observado de forma global no tratamento do câncer é que nos casos onde o médico pode optar pela imunoterapia, a resposta dos pacientes tem sido satisfatória.

“A imunoterapia tem alguns efeitos colaterais, porém, o paciente tem melhor qualidade de vida. É um tratamento mais sustentável para a saúde do paciente, pois ataca diretamente o tumor. Uma das principais vantagens da adoção destes imunoterápicos de nova geração é que, mesmo após o fim do tratamento, a imunidade desse indivíduo pode continuar respondendo a células tumorais, diminuindo a recidiva de tumores e aumentando o tempo livre de progressão da doença”, conclui o oncologista Roberto Lima.

O tumor

A denominação triplo-negativo é utilizada em casos em que o tumor não conta com nenhum dos três biomarcadores relacionados à classificação do câncer de mama: receptor de estrógeno, receptor de progesterona e proteína HER-2.

Segundo o mastologista, o câncer de mama triplo-negativo tem maiores chances de recorrência e, em muitos casos, acaba promovendo uma sobrevida menor em comparação a outros subtipos de tumores mamários. Por isso, a possibilidade de sucesso com a imunoterapia é animadora e abre novas frentes para o enfrentamento dessa doença. “Para esses casos de câncer especificamente houve poucos progressos terapêuticos nos últimos anos. Por isso os estudos internacionais preliminarmente divulgados são animadores por indicarem um novo caminho para tratar esse tipo de câncer de mama”, afirma o mastologista.

GRUPO ONCOCLíNICAS. SUA ViDA, NOSSA VIDA.

Responsável técnico: Dr. Roberto de Oliveira Lima | CRM-ES: 2243