5672, 5672, cecon, cecon.svg, 1292, https://www.grupooncoclinicas.com/cecon/wp-content/uploads/sites/10/2019/11/cecon.svg, https://www.grupooncoclinicas.com/cecon/cecon-4/, , 1, , , cecon-4, inherit, 0, 2019-11-26 19:17:04, 2019-11-26 19:17:04, 0, image/svg+xml, image, svg+xml, https://www.grupooncoclinicas.com/cecon/wp-includes/images/media/default.png, 0, 0, Array
Você está em:

A importância da psicologia no tratamento oncológico

Cada paciente recebe a notícia do câncer de uma forma única e precisa ser acompanhamento com exclusividade.

Ninguém está preparado para receber um diagnóstico de câncer, é uma notícia que mexe com a vida de qualquer pessoa e de todos que estão à sua volta. De acordo com a psicóloga do Cecon, Aline Barrada, diante do diagnóstico do câncer, cada paciente pode reagir de forma diferente e o apoio psicológico é muito importante para ajudar paciente e familiares a enfrentarem o desafio.

Também é necessário uma equipe interdisciplinar composta por profissionais de psicologia, assistência social, farmácia, nutrição, odontologia e enfermagem para atender o paciente em tratamento com atenção ampliada e exclusiva.

“Geralmente, quando o paciente recebe o diagnóstico da doença, é um momento que pode causar abalo emocional, muitos pacientes relatam que ‘o mundo desaba’, que ‘passa um filme da própria vida na mente’. Não é incomum que as pessoas associem o diagnóstico de câncer à morte iminente, mutilações e tratamentos sofridos, devido ao significado que a doença carrega. Neste cenário, sentimentos como o medo, angústia, tristeza, preocupação são compreensíveis e de certa forma, esperados”, comenta a psicóloga.

Segundo Aline, cada paciente recebe essa notícia de forma única, pois depende das referências que ele tem da doença. Por exemplo, o que ele entende de câncer, quem ele conhece que teve a doença, como estão essas pessoas ou como foi o tratamento delas, se foi ameno ou teve muito sofrimento e o que ele absorve de informações da mídia, entre outros fatores que podem interferir no tratamento de cada paciente.

“Costumo dizer que a aceitação é um processo de altos e baixos, pode ser acompanhada dessas fases já citadas e que foram estudadas pela psiquiatra Elizabeth Klübler Ross, como também pode ser manter estável e ser encarada com certa tranquilidade. Notamos que fatores como espiritualidade, rede social e segurança na equipe que cuida fazem bastante diferença no tratamento”, destaca Aline.

Ela acrescenta que o tratamento pode ser dividido em três etapas. A primeira é quando o paciente recebe o diagnóstico, tem o impacto e precisa saber como vai lidar com isso. É o momento de acolher os medos e anseios e buscar as estratégias de como vai enfrentar a doença. A segunda fase é a do tratamento, em que são realizadas a quimioterapia e radioterapia, fase de expectativas, ajustes da rotina e adaptação aos possíveis efeitos colaterais. Já a terceira é a fase dos pós-tratamento, quando o paciente fica em acompanhamento e precisa retomar suas atividades. É tempo de avaliar como se sente e identificar quais sentimentos surgem a partir de tudo que foi vivido e dar espaço para que ele possa dar sentido à experiência.

Portanto, a importância da atuação da psicologia na área oncológica visa à assistência ao paciente oncológico, sua família e profissionais de saúde envolvidos no processo de cuidado. É esse apoio que vai auxiliar no suporte emocional durante as diversas etapas do tratamento.

GRUPO ONCOCLíNICAS. SUA ViDA, NOSSA VIDA.

Responsáveis técnicos:
Dr. Roberto de Oliveira Lima | CRM-ES: 2243
Dr. Bruno Lemos Ferrari | CRM-MG: 26609