2835, 2835, inorp, inorp.svg, 7184, http://www.grupooncoclinicas.com/inorp/wp-content/uploads/sites/19/2017/11/inorp.svg, http://www.grupooncoclinicas.com/inorp/inorp/, , 1, , , inorp, inherit, 0, 2017-11-28 19:17:05, 2017-11-28 19:17:05, 0, image/svg+xml, image, svg+xml, http://www.grupooncoclinicas.com/inorp/wp-includes/images/media/default.png, 0, 0, Array
Você está em:

Desenvolvimento de Software para Minimização de Erros com Medicamentos em Clínica Oncológica

No intuito de oferecer ao paciente uma terapia segura e de qualidade, o sistema de medicação requer o desenvolvimento de estratégias para minimização de erros, como abordagens padronizadas, desenvolvimento de políticas e procedimentos para melhoria do sistema de diluição/administração de medicamentos e revisão sistemática de erros pela equipe multidisciplinar.

XVI Congresso Brasileiro de Oncologia Clínica, Fortaleza – CE

INTRODUÇÃO:

No intuito de oferecer ao paciente uma terapia segura e de qualidade, o sistema de medicação requer o desenvolvimento de estratégias para minimização de erros, como abordagens padronizadas, desenvolvimento de políticas e procedimentos para melhoria do sistema de diluição/administração de medicamentos e revisão sistemática de erros pela equipe multidisciplinar.

MÉTODOS:

Desenvolvimento de software para auxiliar a manipulação segura de quimioterápicos.

RESULTADOS:

O programa gera a guia de cálculo e o farmacêutico lança no sistema: doses, volume da solução e tempo de infusão dos medicamentos dos pacientes do dia. Outro farmacêutico lança novamente os dados, sem visualizar o que foi feito anteriormente. O sistema checa os dados, e, se divergência, o processo é refeito. A quimioterapia é liberada no sistema para manipulação após esta dupla checagem. Na tela Guia de cálculo, o farmacêutico seleciona o paciente e visualiza os medicamentos com as informações quanto ao preparo, incluindo cuidados especiais. Os medicamentos e materiais utilizados são verificados por código de barras e, se divergência, não são liberados pelo sistema. Ao final do preparo de cada medicamento o rótulo é liberado uma única vez e não há mais acesso às informações para o preparo. A cada 30 minutos, o sistema alerta sobre a necessidade de trocar as luvas.

CONCLUSÃO:

O sistema aumenta a segurança dos processos, pois evita a troca na identificação das bolsas, duplicidade no preparo do medicamento, erros de cálculos e utilização de diluente, equipo e bolsa inadequados e garante a rastreabilidade total do processo aumentando a segurança do paciente.

Autores: FIGUEIREDO, P.A.; MADUREIRA, R.C; VANCIN, J.O.; TOSTES, C.L.; TOLEDO, F.A.; MONTEIRO, A.J.; HENRIQUE, F.G.

GRUPO ONCOCLíNICAS. SUA ViDA, NOSSA VIDA.