3337, 3337, logo-ihoc, logo-ihoc.svg, 9875, http://www.grupooncoclinicas.com/ihoc/wp-content/uploads/sites/14/2018/02/logo-ihoc.svg, http://www.grupooncoclinicas.com/ihoc/logo-ihoc/, , 1, , , logo-ihoc, inherit, 0, 2018-02-01 12:54:09, 2018-02-01 12:54:09, 0, image/svg+xml, image, svg+xml, http://www.grupooncoclinicas.com/ihoc/wp-includes/images/media/default.png, 0, 0, Array

Infusões Não Oncológicas

O que é

A terapia com infusões não oncológicas, ou ainda tratamento imunobiológico, é baseada na ativação do próprio sistema imunológico do paciente no combate às anormalidades de células específicas ou processos de inflamação autoimunes. Essa nova classe de medicamentos se origina de anticorpos humanos ou de origem animal, modificados em laboratório por meio da engenharia genética. Embora essas drogas sejam muito usadas no tratamento de doenças reumáticas, também podem ser empregadas em casos de câncer e de doenças autoimunes, como a esclerose múltipla, lúpus, doença de Crohn, retocolite ulcerativa e psoríase.

Entre as formas de utilização das infusões não oncológicas estão:

  • Terapia imunoestimulante: uso de substâncias que incrementam a atividade do sistema imunobiológico;
  • Terapia de imunoglobulinas: transferência de anticorpos (imunoglobulinas, Ig);
  • Terapia de anticorpos monoclonais: aplicação de proteínas específicas que ajudam o sistema imunológico a combater determinado tipo de câncer.

Como funciona

As drogas imunobiológicas ligam-se às citocinas ou outras substâncias que causam os processos inflamatórios no organismo, inativando-as. As citocinas são moléculas responsáveis pela comunicação entre as células e participam da regulação do sistema imunológico. Entre as citocinas que têm papel importante na geração de inflamações, estão:

  • TNF – sigla inglesa para “Tumor Necrosis Factor”;
  • IL-1 – interleucina 1;
  • IL-6 – interleucina 6.

A inibição dessas substâncias melhora os sintomas e sinais de uma doença inflamatória.

A administração das infusões não oncológicas ocorre, fundamentalmente, por via endovenosa ou subcutânea. Existe, por exemplo, a pulsoterapia, aplicação de alta dose de medicamento, por um curto período de tempo, através da veia. É comum ainda a antibioticoterapia, terapia com o uso exclusivo de antibióticos.

Efeitos colaterais

O tratamento imunobiológico é composto por drogas muito fortes, que podem reduzir a defesa do organismo contra uma variedade de infecções, além de provocar complicações alérgicas e eventos autoimunes durante ou após a infusão não oncológica. Por isso, o paciente deve passar por uma rigorosa avaliação médica antes de ser indicado este tipo de terapia.

De um modo geral, cada pessoa responde de um jeito diferente ao tratamento de acordo com fatores como: idade, exposição prévia a medicamentos, comorbidades, tipo e grau de agressividade da doença. Há casos assintomáticos, mas também podem surgir os seguintes sintomas, de acordo com a dosagem e a droga administrada:

  • Anemia;
  • Enjoos;
  • Vômitos;
  • Diarreia;
  • Insônia;
  • Aumento de peso por retenção de líquido;
  • Hiperglicemia;
  • Hipertensão;
  • Irritabilidade;
  • Dor muscular;
  • Fadiga muscular.

Duração do tratamento

A duração do tratamento é determinada pelo médico, dependendo do perfil de cada paciente e do tipo de doença.

CADASTRE-SE E RECEBA NOVIDADES no seu e-mail.

GRUPO ONCOCLíNICAS. SUA ViDA, NOSSA VIDA.